CINEMAS

Clique nas abas do Menu superior e conheça a história das salas de cinema no Pará.

LISTA DOS CINEMAS EM BELÉM NOS ANOS 1960.

CINE ALDEIA DO RÁDIO – Propr. João Maranhão
R. Conceição s/n – Fund. 1957 – 700 lugs. Cinema – Ap. 35 m/m
Func. diário – média anual 344 sessões – 73.979 espectadores

CINE ART – Propr. Cine Art Palácio S/A
Av. Senador Lemos 375 – Fund. 1957 – Cinema – 800 lugs. Ap. 35 m/m
Func. diário – média anual 1718 sessões – 291.780 espectadores
Obs: Este cinema foi construido no mesmo local onde funcionava anteriormente o Cine São João, que foi extinto.

CINE BRASILÂNDIA – Prop. Salim Hermes
Av. Senador Lemos s/n – Fund. 1957 – Cinema – 340 lugs. Ap. 35 m/m
Func. Irregular – Media anual 387 sessões – 23.780 espectadores

TEATRO COLISEU – Prop. João Jorge Nage
Pça. Justo Chermont s/n – Fund. 1956 – Teatro – 1600 lugs. Ap. Sem maquina
Func. irregular – média anual 35 sessões – 13.500 espectadores

TEATRO ESCOLA SÃO CRISTOVAM – Prop. Alberto Ferreira
Av. Independencia 413 – Fund. 1958 – Teatro – 500 lugs. Não tem projetor.
Func. Irregular – Média anual 17 sessões – 5.728 espectadores

CINEMA GUAJARINO – Prop. Armando Bastos Monteiro
R. Nossa Senhora do Ó s/n – Mosqueiro – Fund. 1947 – Cinema – 300 lugs. Ap. 35 m/m
Func. Irregular – Média anual 312 sessões – 27.111 espectadores

CINEMA GUANABARA – Prop. Souza Leão & Cia.
Pça. da Matriz s/n – Icorací – Fund. 1950 – Cinema – 500 lugs. Ap. 35 m/m
Func. diário – Média anual 76 sessões – 11.809 espectadores

CINEMA GUARANI – Prop. Empresa de Cinemas São Luiz Ltda.
Pça. Felipe Patroni 48 – Fund. 1931 – Cinema – 618 lugs. Ap. 35 m/m
Func. diário – Média anual 804 sessões – 242.740 espectadores

CINEMA INDEPENDENCIA – Prop. Cardoso & Lopes
Av. Independencia 507 – Fund. 1931 – Cinema – 1.317 lugs. Ap. 35 m/m
Func. diário – média anual 782 sessões – 369.421 espectadores

CINEMA IPIRANGA – Prop. Batista & Filho
Travessa Cristovan Colombo 56 – Icaraí – Fund. 1927 – Cinema – 500 lugs. Ap. 35 m/m
Média anual 341 sessões – 28.614 espectadores – Func. diário

CINEMA IRACEMA – Prop. Empresa de Cinemas São Luiz Ltda.
Pça. Justo Chermont 160 – Fund. 1928 – Cinema – 618 lugs. Ap. 35 m/m
Func., diário – Média anual 1.892 sessões – 553.402 espectadores

CINEMA MARAMBAIA – Prop. Sebastião Nicolau Golobovante
Travessa São Jorge s/n – Marambaia – Fund. 1929 – Cinema – 280 lugs. Ap. 35 m/m
Func. Irregular – Média anual 97 sessões – 11.350 espectadores

CINEMA MODERNO – Prop. A. Matos Cardoso & Cia.
Pça. Justo Chemont 59 – Fund. 1938 – Cinema – 1.000 lugs. Ap. 35 m/m
Func. diário – Média anual 786 sessões – 489.635 espectadores

CINE TEATRO NAZARÉ – Prop. Empresa de Cinemas São Luiz Ltda.
Pça. Justo Chermont 153 – Fund. 1928 – Cinema – 1.600 lugs. Ap. 35 m/m
Func. diário – Média anual 793 sessões – 688.044 espectadores

CINEMA OLÍMPIA – Prop. Empresa de Cinemas São Luiz Ltda.
Pça. da Republica s/n – Fund. 1912 – Cinema – 750 lugs. Ap. 35 m/m
Func. diário – média anual 837 sessões – 498.236 espectadores

CINE ONZE BANDEIRINHA
Av. José Bonifacio s/n – Fund. 1957 – Cinema – 400 lugs. Ap. 35 m/m

CINEMA PARAISO – Prop. M. Moreira
Av. Pedro Miranda s/n – Fund. 1956 – Cinema – 1.200 lugs. Ap. 35 m/m
Func. diário – Média anual 353 sessões – 88.316 espectadores

TEATRO DA PAZ – Prop. Governo Estadual
Pça da Republica s/n – Fund. 1878 – Teatro – 1.000 lugs. Não tem aparelho de projeção.
Func. Irregular. Média anual 34 sessões – 18.159 espectadores

CINE PÉROLA – Prop. Antenor Sousa Melo
Rodovia Artur Bernardes s/n – Fund. 1957 – Cinema – 120 lugs. Ap. 35 m/m
Func. Irregular – média anual 329 sessões – 20.250 espectadores

CINEMA POPULAR – Prop. Empresa de Cinemas São Luiz Ltda.
Av. Independencia 104 – Fund. 1926 – Cinema – 500 lugs. Ap. 35 m/m
Func. diário – Média anual 1.717 sessões – 247.888 espectadores

CINEMA VITÓRIA – Prop. Cardoso & Lopes
Av. Pedro Miranda 491 – Fund. 1946 – Cinema – 500 lugs. Ap. 35 m/m
Func. diário – Média anual 394 sessões – 112.816 espectadores

CINEMA UNIVERSAL – Prop. Empresa Comercial
Pça. Simão Bolivar 13 – Fund. 1943 – Cinema – 500 lugs. Ap. 35 m/m

AUDITÓRIO DA RÁDIO CLUBE DO PARÁ – Prop. Rádio Clube do Pará S/A.
Av. Presidente Vargas s/n – Fund. 1957 – Auditório – 150 lugs. Ap. não tem.
Func. Irregular – média anual 23 sessões – 10.634 espectadores

AUDITORIUM DA RÁDIO MARAJOARA – Prop. Diários e Rádios Associados S/A.
Pça. Justo Chermont s/n – Fund. 1949 – Auditório – 740 lugs. Ap. não tem
Func. Irregular – Média anual 163 sessões – 103.387 espectadores

FONTE: Relação de Cinemas Antigos de Rua do Brasil em atividade nos anos 60

Posts Recentes

Filme do Mês// Agosto – 2021 “Cadê o verde que estava aqui?” (2004) de Biratan Porto

FILME DO MÊS / AGOSTO//2021

CADÊ O VERDE QUE ESTAVA AQUI (2004) de Biratan Porto.

Em Cadê o verde que estava aqui (2004), de Biratan Porto, a questão ambiental é o tema principal: a natureza se volta contra o homem, retirando todo o verde de uma cidade fictícia, onde a política é conivente com uma economia predatória que destrói a cobertura verde da cidade e a população paga o preço pelo descaso. O arco-íris sem a cor verde é uma metáfora fantástica e simbólica ao caos ambiental, obviamente destinada ao público infantil mas que não se restringe a esse público. A questão é resolvida por uma entidade mágica e pelo plantio de novas árvores. 

Segundo Biratan (2021): 

“A ideia de fazer a animação nasceu junto com a publicação do livro Cadê o Verde que estava aqui? Dentro do projeto que encaminhamos para o edital de cultura do Banco da Amazônia. A própria história do livro nos animou a fazer uma animação.”

Sobre a produção da animação continua:  

“A Central de Produção, dirigida pela Márcia Macêdo foi contratada, depois que o projeto foi aprovado no edital do Banco da Amazônia, para produzir a animação. Contratamos a equipe da AnimaGraphic e em 8 meses concluímos a animação. Fiz o roteiro e direção. O ano de produção foi 2004.”

Biratan é um chargista muito conhecido em Belém e essa foi sua primeira incursão audiovisual, e uma das primeiras animações paraenses, e fez parte de algumas mostras de cinema infantil regionais e nacionais. Uma base literária, o livro do próprio Biratan, com temática relativa à preservação do meio-ambiente e a práticas sustentáveis fortaleceu a estratégia de captação de recursos da animação e seus desdobramentos educativos e pedagógicos :

“o DVD da animação foi lançado em 2004. Projetamos em várias salas: auditório do Banco da Amazônia, sala de exibição do Centur, inúmeras escolas de bairro da cidade de Belém e Interior. E na participação única em festival, foi premiado em segundo lugar no Festival Nacional AnimaSerra, no Rio de Janeiro. Creio que em 2005.”

A animação em 3D, uma grande novidade na época, reconfigurou o traço de cartum do Biratan e foi uma opção arriscada para a finalização da animação, e demandou uma especialidade em CGI que Belém ainda estava dando os primeiros passos. Diferente das outras animações do início dos anos 2000 que foram realizadas com as Bolsas de Experimentação do antigo Instituto de Artes do Pará, Cadê o verde que estava aqui? foi financiado com a Lei Rouanet, com patrocínio do Banco da Amazônia, para a produção e realização, e com a Lei Semear para a divulgação, com patrocínio da Amazônia Celular. 

FICHA TÉCNICA

CADÊ o verde que estava aqui. Direção e Roteiro: Biratan Porto. Produtora: Central de produção. Produção executiva: Márcia Macêdo. Produção: Luciana Martins. Coordenação técnica: Nonato Moreira. Trilha sonora: Luis Pardal. Animação: Animagraphic. Elenco: (vozes) Estar Sá, Ailson Braga, Adriano Barroso, André Mardock, Mário Filé, Marina Paz Barroso. Belém. 11 min. Cor. Son. Animação em 3D. Realizado com recurso da Lei Semear / Governo do Pará.

FRAMES

  1. I Seminário Internacional de Acervos Audiovisuais Regionais | Semana Amilar Alves 2021 Deixe uma resposta
  2. Filme do Mês// Abril – 2021 “Acalmia” (2010) de Ana Lobato e Danilo Bracchi Deixe uma resposta
  3. Mostra de Cinema Histórias do Brasil Profundo Deixe uma resposta
  4. Manifesto dos trabalhadores da Cinemateca Brasileira Deixe uma resposta
  5. Filme do Mês// Março – 2021 “Muragens” (2009) de Andrei Miralha Deixe uma resposta
  6. Filme do Mês// Fevereiro – 2021 “Meu tempo menino” (2007) de Emanoel Loureiro Deixe uma resposta
  7. Cine Olympia, Ópera e Líbero Luxardo – A Resistência dos Cinemas de Rua [Artigo] Deixe uma resposta
  8. Filme do Mês// Janeiro – 2021 “Léguas a nos separar” (2018) de Vitor Souza Lima Deixe uma resposta
  9. FILMES DA DÉCADA – CINEMA PARAENSE Deixe uma resposta