I Concurso de Interprogramas de Animação: Cultura Animação

cultura animacao

 

Os cinco projetos selecionados no I Concurso de Interprogramas de Animação já estão sendo veiculados na interprogramação da TV Cultura e Portal Cultura. No total serão exibidos 15 curtas-metragens, cada um com duração de um minuto. O concurso foi realizado este ano pela Cultura Rede de Comunicação e o Instituto de Artes do Pará (IAP).

 Os selecionados foram: Eliezer França Aido, Daneill Duann Pinheiro Paluma, Otoniel Lopes de Oliveira Júnior, Petrônio Medeiros Lima Filho e Marcílio Benedito Caldas Costa. Cada projeto recebeu R$ 18 mil. No total foram inscritos ao todo 26 projetos, 25 de Belém e um de Marabá.

 

“Diário de um Palhaço” de Cássio Tavernard (2009)

Animação de Cássio Tavernard, que fez parte de uma vídeo-performance apresentada dia 16 de dezembro de 2009 no Instituto de Artes do Pará (IAP).

O principal resultado foi uma vídeo-performance apresentada no dia 16 de dezembro na sala de dança do Instituto, os vídeos eram projetados durante a apresentação pelo próprio Chico Tripa, interpretado pelo Cássio. Chico Tripa era um palhaço que Cássio interpretava na trupe Palhaços Trovadores.  Fábio Cavalcante, autor da trilha

Para criar a animação que faz parte do espetáculo, Cássio contou com a ajuda de dois novos animadores: Duann Paluma e Paulo Evander.

Durante as pesquisas, ele buscou os famosos palhaços da história do cinema, como Charles Chaplin, e procurou observar os temas recorrentes nas apresentações. A solidão, por exemplo, é quase unanimidade quando se fala em números de palhaço. O “Diário de um palhaço” conta a história do Chico Tripa, desde sua infância até o dia em que chegou ao circo e aprendeu a ser palhaço. O vídeo conta ainda a saga do andarilho palhaço pelo mundo afora, apresentando a história por meio da animação e do cinema improvisado. Diário do Pará

FICHA TÉCNICA

Direção: Cássio Tavernard

Assistente de Direção e Cenografia: Fábio Amaral

Roteiro: Cássio Tavernard, Fábio Cavalcante e Fernando Alves

Direção Teatral: Johnny Russel

Criação de personagens: Duann Paluma/ Paulo Evander/ Cássio Tavernard

Programação Visual: Felipe Wanzeler

Luz e Som: Tárik Pinheiro

Animação: Duann Paluma/ Paulo Evander/ Fernando Alves/ Diogo Lima

Pintura de Cenários: Duann Paluma

Filmagem (sombras): Marcelo Rodrigues

Figurino: Leni Ignês Tavernard

Storyboard:  Fernando Alves/ Diogo Lima / Cássio Tavernard

Trilha: Fábio Cavalcante

Edição e Composição: Leonardo Quadros / Maurício Britto

Fonte: Diário do Pará e Fábio Cavalcante

Cássio Tavernard

“A ONDA – FESTA NA POROROCA”

Gênero Animação
Diretor Cássio Tavernard
Ano 2005
Duração 12’
Cor Colorido
Suporte digital

Filme do arquiteto Cássio Tavernard. Além de “A Onda – Festa na Pororoca”, Cássio também é responsável pela criação do Personagem do CD-rom da Prodepa da página de Lendas e Mitos e trabalhos como “A Moça do Táxi” – INFORMAN (Núcleo de Informática da Universidade Federal do Pará) e “Ver-o-Vôo” – trabalho autoral lançado pelo IPHAN.

Sinopse

Com roteiro original de Adriano Barroso, conta a história de uma festa que os bichos organizam no fundo do rio para esperar a passagem da Pororoca. Enquanto isso, na superfície, dois surfistas do sul tentam a aventura de “domar” a onda da pororoca. Estas ondas nos rios da Amazônia são um fenômeno natural. No Pará, o principal município atingido é de São Domingos do Capim. No dialeto indígena do baixo Amazonas, o fenômeno da pororoca tem o seu significado exato: Poroc-poroc significa destruidor.

Ficha Técnica

– Texto original – Adriano Barroso
– Roteiro adaptado – Adriano Barroso e Cássio Tavernard
– Direção, Direção de Arte e Produção – Cássio Tavernard
– Produção Executiva – Márcia Macêdo
– Trilha Sonora original – Fábio Cavalcante
– Animadores 2D – Alexsandro Costa, Andrei Miralha e Cássio Tavernard
– Animadores 3D – Nelson Teixeira e Nonato Moreira
– Edição – Imagem Produções
– Produção – Jackie Araújo
– Elenco (vozes): Adriano Barroso, André Mardock, Aílson Braga, Ester Sá, David Mattos e Mateus Maia

Fonte: Central de Produção

“O RAPTO DO PEIXE-BOI”