Filme do mês // Jul.2015 – RÁDIO 2000 de Érik Lopes

Rádio 2000, 2013, de Érik Lopes

ENTREVISTA COM O REALIZADOR ÉRIK LOPES

Como surgiu a ideia de documentar esse período específico do Rock Paraense?

Surgiu por perceber a influência que as bandas desse período tiveram na música paraense, acho que não só no rock, de hoje. Mais de 10 anos depois, muita coisa mudou no cenário, outras nem tanto. Mas dava pra perceber que quem movimenta o cenário de rock hoje na cidade estava começando naquele período, ou então só assistindo a tudo aquilo, como público. E o público que começa a conhecer hoje o cenário acabava não sabendo do que havia existido antes, sendo que foi tudo bastante essencial pra pavimentar o caminho de hoje. Daí surgiu a ideia de fazer esse registro. Ouvir os depoimentos que o pessoal da época podia já conhecer, mas que estavam sendo perdidos no tempo, porque boa parte das bandas já acabaram e algumas pessoas já se desligaram da música hoje.

Qual os referenciais pra pesquisa e os arquivos audiovisuais consultados para montar esse trajetória?

Divulgação

Nós consultamos o acervo da TV Cultura, que promovia bastante as bandas de rock nesse período. Suzana Flag, Eletrola e Stereoscope, as três bandas mais focadas no documentário, sempre estavam na programação da TV e da rádio Cultura, ou nos festivais promovidos por eles. Além disso também vasculhamos o acervo pessoal do Elder Effe, que era do Suzana Flag na época. Ele foi uma das pessoas que mais acumulou material nesse período. Qual foi o processo de produção, a equipe técnica, apoiadores? O projeto foi financiado pelo Instituto de Artes do Pará, por meio da Bolsa de Criação e Experimentação de 2013. O recurso foi essencial para realizar tudo, mas era restrito, então trabalhamos com uma equipe bem reduzida. Eu trabalhei na Direção e edição, o Zek Nascimento na produção, e tínhamos a Karina Menezes e Monique Malcher no roteiro e, depois, na assessoria de imprensa. A pesquisa foi realizada pelos 4 da equipe, já coletando material e articulando o roteiro e produção, porque o tempo para entrega do produto final do edital era bem apertado. Esse período de pesquisa e elaboração do roteiro foi o mais demorado, cerca de 3 meses, pra poder otimizar nos outros processos. Filmamos, editamos e finalizamos tudo em mais 3 meses.

Você tem ideia de seguir essa linha de documentário musical, tem muita história pra contar aqui não?

Com certeza ainda tem muito a se contar sobre a música daqui, até pelo bom momento que a música vive. E com certeza também se tem muita coisa antiga importante pra registrar que corre o risco de se perder na história. Eu tenho muita vontade de trabalhar em um documentário sobre o Rock 24 Horas, um festival que acontecia no início dos anos 90, que foi um marco (para o bem e para o mal) na história do rock local, e ainda é um fantasma que assombra quem esteve presente. E Atualmente também estou trabalhando na finalização de um especial de 10 anos do Aeroplano, que é a banda em que toco também. Além disso quero experimentar em documentários em outras áreas fora da música, que é uma coisa que devo pensar para os próximos anos.

FICHA TÉCNICA

Direção, Câmera e Edição ERIK LOPES, Produção ZEX NASCIMENTO, Roteiro e Assessoria de Imprensa MONIQUE MALCHER / KARINA MENEZES.

Sala de Cinema com o cineasta Chico Carneiro

SALA 01 CHICO x

O cineasta paraense Chico Carneiro é o primeiro convidado do projeto “Sala de Cinema”, uma iniciativa da Cinemateca Paraense em discutir a produção cinematográfica no estado do Pará através de exibição e discussão de filmes. O evento marca uma nova fase da Cinemateca Paraense, com uma sede para reuniões, oficinas e mostras de filmes. “É um espaço intimista e aconchegante pra ver, conversar e viver o cinema de ontem e hoje, um desdobramento da pesquisa que o site realiza” diz o curador Ramiro Quaresma que recentemente defendeu a dissertação de mestrado (PPGArtes, ICA e UFPA) sobre o trabalho de preservação do patrimônio audiovisual realizado pelo site cinematecaparaense.org há sete anos.

Chico Carneiro reside hoje me Moçambique e está de passagem por Belém trazendo o último filme da pentalogia sobre os rios da Amazônia que vem realizando desde 2006 com recursos próprios durante as férias em que volta para rever sua terra natal. Chico começou sua trajetória no cinema nos anos 1970 realizando filmes experimentais em Super 8 e 16 milímetros, foi também assistente de câmera no clássico “Iracema” de Jorge Bodanzky (1976). Trabalhou com Hector Babenco em sua fase paulista nos anos 1980. Hoje em Moçambique é realizador de documentários e fotógrafo.

Sobre seu ideal cinematográfico Chico Carneiro diz: “Ao mesmo tempo essa dinâmica (de me obrigar a fazer sempre um filme nas viagens de férias ao Pará) e sem depender de apoios externos, tem-me permitido ser bastante profícuo em praticar um cinema autoral e documental na sua forma mais profunda, ao mesmo tempo em que demarco minha participação/contribuição na solidificação de uma cinematografia amazônica-paraense.”

“Sala de Cinema” é uma realização da Cinemateca Paraense que tem curadoria de Ramiro Quaresma e coordenação museológica de Deyse Marinho, e apoio cultural da Associação de Críticos de Cinema do Pará e da Revista PZZ.

Serviço:

Sala de Cinema / Cinemateca Paraense

Convidado: Chico Carneiro

Quando: 23 de junho, terça-feira, às 19h.

Onde: Trav. Frutuoso Guimarães, 602. Campina.

Informações: 91 983823559 (Ramiro Quaresma)

Entrevista com Mateus Moura sobre “A Ilha” e outras questões cinematográficas

O blog enviou algumas perguntas/questões ao realizador Mateus Moura que lança dia 15 de Outubro seu filme “A Ilha”. Mateus é cineclubista, ativador cultural e artista multimídia, e como pesquisador de cinema estudou o KinemAndara de Vicente Cecim.


[RQ] Você participa ativamente da cena cineclubista do Pará e escreve também críticas de cinema em blogs, vejo nisso uma conexão com os realizadores franceses da Nouvelle Vague, com o Godard e Truffaut que entraram no cinema pela porta da crítica e das sessões da cinemateca francesa. A motivação para realizar cinema parte da angustia de apenas exibir e teorizar sobre cinema, e partir para a práxis cinematográfica, como num filme-ensaio?

[MM] O Godard dizia que ele fazia cinema desde que escreveu a primeira crítica. Pensar cinema pra ele já era fazer. Truffaut, todavia, foi um grande crítico, mas um cineasta que contribuiu muito pouco. Respondendo à pergunta, a minha motivação para “realizar cinema” (“práxis”) parte da mesma angústia que me motivou a realizar a “prática cineclubista” ou a “prática da crítica”: a angústia da minha alma inquieta. Realmente, o meu caminho dentro do cinema foi o de espectador > crítico > cineclubista > realizador, como se deu na nouvelle vague, como se deu também no cinema novo aqui no Brasil, ou mesmo no cinema marginal. E acho que, realmente, dos anos 60 pra cá, principalmente no contexto em que vivemos – onde quem está interessado por cinema tem que percorrer mesmo o auto-didatismo – esse é o caminho mais natural.
Sem dúvida, hoje, percebo, que “fazer cinema”, é um front diferente de “escrever sobre cinema”, ou de “programar filmes, falar sobre eles”. Quando utilizo a linguagem audiovisual articulo minhas ideias através da mesma, conduzo minha intuição pra desvendar os mistérios entre os planos, dedico minha paciência para arquitetar como posso conduzir uma cena, como posso dizer nas elipses. Enfim, são preocupações de cada linguagem, e praticando cada linguagem sem dúvida estamos ensaiando sobre elas. Pra mim a grande diferença do crítico para o realizador é que o primeiro é apaixonado pela linguagem do cinema, da vida e das imagens e as enfrenta através do verbo, enquanto que o realizador joga o próprio jogo da linguagem cinematográfica. São batalhas diferentes, mas todas fazem parte da guerra da linguagem, e todas são “práxis”.

“A Ilha” explora um cotidiano ribeirinho místico, como surge a motivação para explorar esse universo, que muito foi documentado, mas que em ficções cinematográficas costuma incorrer em clichês ou mitificações. Como foi a pesquisa que resultou no roteiro inicial e nas escolhas estéticas e narrativas do filme?

ilhaÉ a história do olho né? Ele tá ali, ele observa, ele colhe, ele guarda. Aí chega uma hora que O olho (palavra) quer virar UM olhar (verbo).  Desde pequeno meu olho observa com espanto a floresta, com curiosidade imagina o fundo do rio. De uns tempos pra cá meu olho começou a observar mais todo esse complexo que é a intervenção da civilização na natureza, ou das tentativas de submissão do homem pelo homem. No meio disso conheci mais profundamente a História de Cotijuba, o Educandário Nogueira de Farias, que depois se tornou a Colônia Penal, os causos da “Ilha do Diabo”, dos presos que eram jogados na baía do Guajará.

Foi tudo isso, somado à cultura que venho olhando também através dos livros, filmes, estórias e linguagens de todo o tipo, que deram a base pra começar a Ficção. Ficção vem de “fictio”, né? Construir, moldar. Todas as minhas pesquisas e escolhas estéticas e narrativas pretendem desaguar num lugar: a criação de um mito.  Acho que imploro o cotidiano ribeirinho místico também de forma natural, pois é o que mais tive contato recentemente. E de certa forma quero “documentá-lo”, mas através do filtro da reinvenção.

Tem uma frase que segue depois dos créditos finais d”A Ilha”, que posso antecipar, e que diz:

“A Ilha é um filme do presente, com passado. O cinema é uma invenção sem futuro, mas para o.”

“Do presente”, pois todo filme é uma documentário da sua forma de produção. “Com passado” porque, atravessando a liberdade de criação desse mito, ecoam os estertores de todos os presos que foram jogados nessa baía, ou de qualquer ribeirinho que foi removido de seu habitat para o trem da civilização passar. “O cinema é uma invenção sem futuro” é a clássica frase, dita por Louis Lumière, o inventor do cinematógrafo. Frase que assino embaixo, pois o cinema – grafia ontológica de um presente inundado de passado – é, na verdade e sobretudo, “para o futuro”.

A produção foi feita em forma colaborativa e independente, sem editais de financiamento e apoio institucionais, num tour de force de produtoras parceiras. Conte um pouco sobre esse processo de realização sem financiamento público ou privado e, portanto, sem as amarras conceituais que esses patrocínios de certa forma impõe, caracterizando a obra como um legitimo cinema de autor.

O cinema paraense passa pelo maior marasmo de sua história, o mais recente curta-metragem de um realizador paraense, por exemplo, foi filmado em Florianópolis por questões de custo-benefício e profissionalização cinematográfica. Qual sua visão deste estado das coisas do nosso cinema que há 40 anos não realiza um filme de longa-metragem.

Acho que aqui nossas visões são bem diferentes.

Do que eu venho pesquisando de “cinema paraense”, esse feito aqui na região, conheço 3 longas-metragens de ficção recentes: “Ajuê São Benedito” e “Cônego Batista Campos – Senderos da Cabanagem”, do Paulo Miranda e “Cabanos”, do Sebastião Pereira. De curtas-metragens e documentários (curtas, médias e longas), o Estado, quase semanalmente, produz, de todos os assuntos. Tem várias novas pequenas produtoras, de Santa Bárbara à Ponta de Pedras, de Santarém à Marabá. Em Belém tem muita gente experimentando, nos mais diversos formatos de produção.

Se você me disser que há 40 anos não se realiza na região um filme de longa-metragem em película eu compreendo, mas tratando assim de forma geral, os fatos me mostram o contrário. Inclusive, discordo com relação ao “marasmo” também, acho o oposto, justamente por essa possibilidade digital, que desonerou os custos. Salvo engano, o Pará nunca produziu tanto em audiovisual.

Também não acredito que um “legítimo cinema de autor” seja fruto do seu formato de produção. A própria Cahiers du Cinema (Truffaut, Godard) provou que na seio da indústria cultural hollywoodiana tinha muito “cinema de autor”, que o “autor” estava na “mise-en-scène”.
Com relação à produção de “A Ilha” foi assim: pedi apoios institucionais e, como de praxe, fui ignorado; não sei escrever editais, nem conheço produtores culturais competentes para tal, aí resolvi dedicar 6 meses da minha vida, diariamente, pra fazer esse filme. Convidei os loucos que aceitam ir pra Cotijuba pagar sua própria comida pra vivenciar a experiência de realizar cinema nessas condições, e, sem choramingar, fomos fazer cinema como os amadores – de Buñuel à Bressane – sempre fizeram: com o que tínhamos em mãos, e ao redor.

Uma coisa importante foi que quando convidei o Rodolfo Mendonça – que foi meu grande parceiro por trás das câmeras nesse projeto – ele aceitou o convite não porque era meu amigo (viramos amigos depois), ele aceitou porque acreditou no projeto, percebeu algo importante ali. Pequenas produtoras unindo experiências e saberes na aventura de fazer cinema. Não acredito neste como o único caminho possível no fazer cinematográfico, porque acredito, como o Glauber, que “o cinema são todos os caminhos”, mas sem dúvida, esta é uma senda interessante para abrir as eternidades que pretendemos por aqui. O que acontece muito é ficarem importando modelos de produção de lugares distantes, enquanto podíamos estar nos olhando nos olhos e construindo uma cena com nossos próprios esforços a partir da nossa realidade. Foi isso o que aconteceu nesse projeto, e só tenho a agradecer a todos que participaram dele. No final do filme, após os créditos, também antecipo outra frase, que resume o caráter desta produção:

“Todos os integrantes do elenco e da equipe que participaram deste filme são reconhecidos como produtores do mesmo, pois foi unicamente por sua dedicação, material e espiritual, que o mesmo pôde atingir a dimensão além do sonho.”

SOBRE O FILME

“A Ilha”. 62 min. Digital. Cor. Brasil. 2013

Filme rodado, entre novembro de 2012 e fevereiro de 2013, na ilha do Cotijuba, na Baía do Guajará, na Baía do Marajó e na Ecovila Iandê, na Comunidade de São João Batista em Santa Bárbara. Produzido de forma completamente independente, entre as produtoras Maria Preta, Insular Produções e Coletivo Quadro a Quadro, com apoio do Miritismo.

Sobre a obra:

Nazareno é mais um homem que nasceu e trabalha no continente e, que, hoje, sobrevive na Ilha. A travessia faz parte de sua rotina. Sob ele, todos os dias, flui o Grande Rio, inundado de historias mal-contadas. Sua esposa, Carline, é dona de casa, e a monotonia faz parte de sua rotina doméstica insulada, assim como um certo receio diante do desconhecido. Ambos sonham com a chegada de um filho, que distraia o tédio e gere um novo prazer pela vida. O sonho vira pesadelo quando o seu destino se cruza com a obrigação de Silene, nativa da ilha.

mais informações:
http://danoiteescuradamariapreta.wordpress.com/obras/a-ilha/

SOBRE O REALIZADOR

mmHá 6 anos atuo com Cinema em Belém. Cineclubismo e crítica com a Associação Paraense de Jovens Críticos de Cinema, Realização Cinematográfica com a Antifilmes, Sr. Cheff, qUALQUER qUOLETIVO e Maria Preta. Comunicação e Produção Cultural com a Garfo e Faca. Tenho trabalho acadêmico sobre o kinemAndara de Vicente Cecim, um blog onde cultivo meu pensamento e canais onde está presente toda a minha produção.

Blog pessoal: http://cinemateusmoura.blogspot.com.br/
Blog APJCC: http://apjcc.blogspot.com.br/
Canal Vimeo Garfo e faca: https://vimeo.com/garfoefaca
Canal Youtube JAMCINE: http://www.youtube.com/qualquerjamcine
Canal Youtube MATOU O CINEMA E FOI A FAMILIA: http://www.youtube.com/matouocinema
Sr. Cheff Prod. D. Juan (DF5): https://vimeo.com/21229829
Sr. Cheff Prod. PRIMEIRO: http://www.youtube.com/watch?v=IG1nOgK08_U&feature=g-all-u

RMXTXTURA’S Por um cartografia crítica da Amazônia: https://vimeo.com/channels/rmxtxturas

SERVIÇO / LANÇAMENTO

CINE LÍBERO LUXARDO

Terça, 15 de outubro de 2013

19H30

ENTRADA FRANCA

Usina do Comum realiza oficinas em Castanhal // Entrevista com Anderson Moreira

625610_361905627247662_6072578_n

CP // Como surgiu a ideia e quais as motivações de realizar o projeto no Pará, mais especificamente em Castanhal?

Desenvolvemos uma oficina colaborativa de audiovisual desde março desse ano em Castanhal. O projeto é motivado principalmente pelo o que pode o trabalho em colaboração. O Usina do Comum é um projeto aprovado pelo Edital Interações Estéticas, da Funarte, e foi proposto por mim, Anderson Moreira, estudante de cinema da Uff, e pelo Carlos Calenti, que faz doutorado em comunicação e cultura na UFRJ.

O Usina do Comum é um projeto que busca produzir colaborativamente um curta-metragem de ficção juntamente a um ponto de cultura de teatro de Castanhal. Essa produção se dará através da oficina que estamos ministrando atualmente, que engloba todas as fases de produção de um filme, da construção do roteiro à um primeiro corte do material filmado. O curta se baseia no próprio processo da oficina e também nas experiências pessoais dos oficinandos, misturando um pouco os registros entre ficção e não-ficção.

CP // Onde está sendo realizado o projeto e qual o público alvo e participante?

O público alvo inicialmente abrangia os participantes do ponto de cultura escolhido para a nossa residência, o Teatro Usina de Força e Luz, que junta dois grupos de teatro da cidade, o Argonautas e o Trem das Artes, e que possui público variado, indo do infanto-juventill ao adulto. O grupo participante da oficina é de 20 pessoas mais ou menos, contando com atores e não-atores, membros dos grupos e do público em geral. A idade é também dispare e conta com a participação de jovens, adolescentes e adultos.

A escolha do Pará e de Castanhal foi motivada principalmente pelo ponto de cultura Teatro Experimental Usina de Força e Luz, um grupo que já tinha experiência com a produção de textos próprios e com o trabalho de atores, fatores muito importantes para o andamento do projeto. O Edital Interações Estéticas exigia também que a residência artística no ponto de cultura a nossa escolha fosse fora da região onde moramos, no caso, o Sudeste. A região Norte, e o Pará especificamente, já eram lugares da nossa preferência, e com a descoberta desse ponto em Castanhal, tudo se encaixou muito bem.

ucCP // Me fale um pouco sobre o Usina do Comum, quem são os participantes do projeto e quais desdobramentos dessa ação?

Atualmente, o projeto encontra-se na fase de finalização do roteiro. A seguir entraremos no período de pré-produção. E no final de junho, temos programado um workshop mais técnico, voltado para o manejo das câmeras DSLR com que trabalhamos. Para isso, precisamos de um oficineiro que tenha disponibilidade para trabalhar com um conteúdo relativamente abrangente, e que tenha principalmente conhecimento técnico (ainda que seja importante também noções de estética e linguagem audiovisual). Previmos como carga horária um mínimo de 15h, preferenciamente distribuídas durante uma semana no final de junho, algo que pode variar dependendo da disponibilidade de quem for dar o workshop. A escolha de um profissional paraense para esse trabalho é muito importante para nós, que buscamos um intercâmbio com a cena cultural paraense. Realizamos a oficina no auditório da Funcast e eventualmente no Teatro Experimental Usina de Força e Luz, locais onde o workshop também ocorrerá.