Filme do mês // Ago.2015 – VILA DA BARCA de Renato Tapajós

 

Como foi o processo de realização do Vila da Barca?

Eu havia, há pouco tempo, me ligado a um pessoal de cinema em São Paulo, o Grupo Kuatro, do qual fizeram parte o João Batista de Andrade e o Francisco Ramalho. No grupo, eu já havia feito dois curtas ficcionais em 8 mm, felizmente perdidos. Mas minha fixação era no documentário. Em 1964 fui de ferias para Belém (onde meus pais moravam) e conheci um publicitário chamado Abílio Couceiro. Conversando sobre cinema, eu disse que estava interessado em fazer um documentário sobre a Vila da Barca. Ele se interessou e me disse que tinha uma câmara  16mm e alguns rolos de negativo pb. Também me emprestou um gravador de rolo, grande e incômodo de usar. Fui para Vila da Barca sozinho com a câmara e eu mesmo fiz a fotografia (primeira e ultima experiência no ramo). Depois voltei para gravar um depoimento que havia me chamado a atenção. Quando voltei para São Paulo, ,mandei revelar o material e fiquei com aqueles rolos na mão, sem saber muito bem o que fazer. Discuti a proposta com os companheiros do Grupo Kuatro e depois de muita discussão, um cineasta que não era do grupo, mas era conhecido, o Maurice Capovilla se ofereceu para montar o filme. Ele tinha acesso a uma moviola da Aliança Francesa e lá trabalhamos durante as madrugadas (que era quando havia horário livre e gratuito) até chegar na versão final do filme. O filme rodou no circuito independente durante um certo tempo (de 1965 a 1968) e o Sergio Muniz acabou levando-o para o Festival de Leipzig. Neste Festival o Vila da Barca ganhou o premio de melhor documentário curto. Quando recebi o premio, acreditei que sabia fazer cinema e isso deu no que deu.

62117_10151331658111649_1680340722_n

 

VILA da Barca. Direção: Renato Tapajós. Produção: Abílio Couceiro. Montagem: Maurice Capovilla, João Batista de Andrade, Renato Tapajós. Assistente de Direção: Lais Furtado. Imagem: Fernando Melo / Cinematográfica Bandeirantes. Som: Odil Fonobrasil. Montagem do Negativo e Som: Sylvio Renoldi. Narração: Cláudio Mamberti. Colaboração: Cláudio Barradas, Isidoro Alves, Acyr Castro, Poty Fernandes, José da Silva Marreco. Belém. 1964 10 min. Belém/São Paulo. p&b. Son. Filmado em 16mm.

vila da barca

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s