AMAZÔNIA DOC

I AMAZONIA DOC – Festival Pan-Amazônico de Documentários

” Desde o início da década de 90 passei a aprofundar as minhas pesquisas sobre cinema. Nesse processo fui completamente tomada pelos filmes de não-ficção, viraram a minha grande paixão e objeto de estudo! O interesse em ampliar meu conhecimento acerca de documentaristas, críticos, e teóricos sobre o gênero, conduziram-me de maneira inevitável a freqüentar Festivais de Cinema Documentário no Rio de Janeiro e São Paulo, pois essa era a única forma de ter acesso as realizações produzidas e aos seus realizadores no Brasil e fora daqui. Começava um “boom” na produção de documentários em todas as partes do mundo.

De lá para cá, passaram-se muitos anos! Foram anos de viagens inesquecíveis pelo Brasil e pelo mundo, através dos filmes de não ficção que pude ter acesso e dos debates que pude participar. Muitos dos filmes que assisti provocaram inúmeras reflexões e reações na minha vida pessoal e profissional, fazendo-me repensar e reorganizar minhas idéias e as minhas escolhas. Percorri muitos países e culturas, conduzida pelos diversos olhares e abordagens suscitadas pelos autores das obras. Foi e ainda tem sido inquietante e transformador! Passei a cultivar o interesse em dividir essa experiência coletivamente, viabilizar a exibição dessas produções e o debate com seus realizadores para a região norte, que via de regra não tem fácil acesso a esses filmes e muito menos aos seus autores.

Motivada por esse sentimento, em 2007, nasceu a idéia de realizar um Festival de Documentários que oportunizasse o intercâmbio entre os países que integram esse imenso território Amazônico, promovendo o acesso do nosso povo, da nossa região a essas produções e que sobretudo permitisse iniciar o debate e a reflexão em torno das problemáticas e potencialidades da Amazônia, por meio da linguagem audiovisual e do gênero documentário, pelos amazônidas e para os amazônidas.

Depois de dois anos de gestação, nasce, o I AMAZONIA DOC – Festival Pan-Amazônico de Documentários, com o objetivo principal de apresentar uma grande mostra do cinema documental da macro-região que estende sua floresta por parte de oito países que formam a Pan-Amazônia: Brasil, Venezuela, Equador, Peru, Bolívia Colômbia, Guiana Francesa, e Suriname. Esta imensa região é detentora de uma das maiores riquezas hídricas, biológicas e minerais do planeta e de uma inigualável diversidade sociocultural. São diversas amazônias.

Para aprofundar e enriquecer o conteúdo dos debates propostos inicialmente convidamos os mais reconhecidos realizadores e teóricos sobre o gênero, entre eles, posso citar a imprescindível colaboração do documentarista Victor Lopes na curadoria do Seminário e a consultoria do Professor José Carlos Avelar, exímio conhecedor do Cinema latino-americano, ambos com a missão de propor à partir do conceito esboçado pelo projeto do I AMAZÔNIA DOC, os convidados brasileiros, as conferências, palestras e debates sobre as questões suscitadas no escopo do I SEMINÁRIO PAN-AMAZÔNICO DE DOCUMENTÁRIOS e da MOSTRA PAN-AMAZÔNICA DE DOCUMENTÁRIOS. Ainda contamos com a preciosa assessoria internacional de Tito Almeijeiras, coordenador do Fórum do Documentário Latino-americano no CINESUL, para comandar a área internacional do Amazônia DOC na produção dos convidados e filmes internacionais.

A hora do festival finalmente chegou! E tudo isso só foi possível pelo engajamento reiterado de nossos patrocinadores, mesmo neste ano de dificuldades atípicas, e sobretudo pela confiança firmada dos colaboradores, curadores, consultores, produtores e realizadores que acreditaram no I AMAZÔNIA DOC como janela para suas obras. Nossa gratidão é infinita.

Desejo a todos, em nome da incomparável equipe do festival, uma viagem inesquecível pelo melhor do documentário pan-amazônico.

Bom festival a todos!”

Zienhe Castro
Diretora Geral
Produtora Executiva do I Amazônia Doc

VENCEDORES

Prêmio AMAZÔNIA – Augusto Ruschi* (maior destaque entre as obras)
 
Mataram Irmã Dorothy, de Daniel Junge (BRA), 2008
 

Prêmio AMAZÔNIA Ouro – Melhor LONGA

Mataram Irmã Dorothy, de Daniel Junge (BRA), 2008

Prêmio AMAZÔNIA Prata – Melhor MÉDIA

“Balsa Boieira” e “Seu Dico. Paraense Velho Macho”, de Chico Carneiro

Prêmio AMAZÔNIA Bronze – Melhor CURTA

A Casa dos Mortos, de Débora Diniz, 2008

Prêmio AMAZÔNIA – Melhor Filme Etnográfico

Verde Terra Prometida: Laços Amazônia e Nordeste, de Claudia Kahwage (PA)

Prêmio Amazônia Especial – melhor FILME escolhido por júri popular

Mataram Irmã Dorothy, de Daniel Junge (BRA), 2008

Prêmio Amazônia Especial – Técnico local
 
Diógenes Leal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s